Comissão de Honra

Alexandre Quintanilha

Após ter completado o liceu em Moçambique ingressou na Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo, onde obteve a Licenciatura em Física Teórica, no final de 1967. Em 1972 fez o doutoramento em Física do Estado Sólido, sob a supervisão de Frank Nabarro, um dos grandes peritos em Teoria da Deslocação. Em 1971 passou um ano no Laboratório de Jacques Friedel e P. G de Gennes, na Universidade de Paris (Orsay). O facto de ter conhecido Sydney Brenner em 1972 foi crucial para a sua decisão de reorientar a pesquisa para a Biologia. Nesse mesmo ano mudou-se para Berkeley, Universidade da Califórnia (UC) onde permaneceu perto de vinte anos. Os interesses da sua pesquisa orientaram-se principalmente para os mecanismos bioquímicos e fisiológicos do stress oxidativo em organismos vivos. Como professor associado da faculdade participou em diversos grupos de trabalho e integrou a equipa que lançou o Grupo de Graduação em Ciência Aplicada da UC. No Lawrence Berkeley National Laboratory (LBNL) foi convidado a dirigir um novo centro para o estudo do impacto ambiental da tecnologia e tornou-se Director Adjunto da divisão de Energia e Ambiente, o que lhe permitiu o contacto com investigadores de vários departamentos da Universidade de Berkeley e do LBNL. Foi nomeado para presidir o Grupo de Novas Iniciativas da UC e foi membro do Comité de Investigação para o director do novo departamento do Genoma Humano, fundado pelo Departamento de Energia (DoE), juntamente com Bruce Alberts, Elizabeth Blackburn, e outros. Foi também membro da equipa de aconselhamento científico para a construção do Advanced Light Source. Em 1990, é convidado, pela Universidade do Porto, a integrar a recentemente criada Faculdade de Ciências Biomédicas. Em 1991 muda-se para o Porto tornando-se, em pouco tempo, presidente do conselho científico. Como resultado da recente adesão de Portugal à União Europeia, propõe a criação de um novo instituto, o Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC), inaugurado em 1997. Presentemente é Director deste instituto, no qual dá formação a mais de 150 pós-graduados (de diversas nacionalidades) em cinco áreas científicas: Genética Humana e Doenças Genéticas, Engenharia Biomédica, Neurobiologia Básica e Clínica e Biologia do Stress. Em Portugal é presidente do conselho científico do Pavilhão do Conhecimento (centro interactivo de ciência e tecnologia em Lisboa) e conduziu numerosos comités de avaliação que concederam bolsas de investigação nas áreas de Biologia, Biotecnologia e Ciências Ambientais. Na Comissão Europeia dirigiu o Ethical, Legal and Social Aspects of Technology (ELSA) e participou no Bureau of of the European Science and Technology Assembly (ESTA). Continua a representar Portugal em diversos comités internacionais e, actualmente, dirige o grupo de trabalho Human Related Biotechnology da OCDE. É presidente do Grupo de Acompanhamento de Mobilidade e Recursos Humanos do VI Programa Quadro da Comissão Europeia. Ao longo dos anos, tem direccionado todos os esforços para promoção da ciência na educação, visitando dezenas de escolas todos os anos, dando o rosto em programas de TV e rádio e proferindo palestras públicas acerca de assuntos de interesse geral, o que lhe tem permitido alcançar um largo espectro de público em Portugal e noutros países europeus. Recentemente foi eleito para integrar o Comité de Investigação e Exploração da National Geographic. Mais de uma centena de cursos avançados sobre diferentes temáticas foram por si coordenados, em muitos países do mundo. Mais recentemente, tem tido particular interesse na temática percepção e comunicação do risco, sobre a qual organizou, recentemente, o Encontro da Academia Europaea (Outubro 2002).